quinta-feira, fevereiro 24, 2005

Ar fresco por favor



20 de Fevereiro - o PSD sofre uma derrota histórica nas eleições legislativas alcançando apenas 29% dos votos;
21 de Fevereiro - ainda se faz o rescaldo das eleições e já se perfilam vários candidatos à sucessão de Santana Lopes;
22 de Fevereiro - Marques Mendes apresenta oficialmente a sua candidatura à liderança do partido; nesse mesmo dia, Luís Filipe Menezes anuncia também a sua intenção de se candidatar ao mesmo cargo (estando marcada para amanhã a apresentação da candidatura). Bastaram umas horas para a luta pelo poder se acender!
Talvez por ingenuidade, faz-me um bocado confusão todo este processo de sucessão. Neste caso, tenho que concordar com Alberto João Jardim - parece-me tudo muito precipitado. Ao contrário do que acontece noutros partidos, no PSD, felizmente, os candidatos não têm que ser fabricados num qualquer “comité” e são livres de avançar; no entanto, penso que depois do resultado de Domingo, antes de qualquer candidatura ser anunciada, seria importante que os militantes fizessem uma reflexão profunda sobre o rumo que o partido tem vindo a seguir nos últimos tempos e sobre o caminho que pretende seguir no futuro. Mas, infelizmente, a realidade é outra...A realidade é que o PSD de hoje, mais do que um conjunto de pessoas interessadas em definir uma estratégia comum para o bem do partido e para o bem de Portugal, é, basicamente, uma feira de vaidades , uma “passadeira de carreiristas políticos”, cujo principal interesse é subir na carreira (como se de uma profissão estivéssemos a falar)... Isso revelou-se na formação das listas de deputados e vê-se hoje no apressado processo de sucessão de Santana Lopes. É perfeitamente natural e saudável que as pessoas tenham ambições pessoais... Mas, não consigo ver a política só dessa maneira (aí está a minha ingenuidade a revelar-se mais uma vez). A verdade é que esta forma de estar tem impedido o contributo de inúmeras pessoas com muito valor que poderiam enriquecer o partido e a actividade política em Portugal.
Não tenho absolutamente nada de pessoal contra os dois candidatos que avançaram para a corrida pela liderança. Com certeza que são pessoas com valor. No entanto, penso que o PSD precisa urgentemente de uma cara nova, de uma lufada de ar fresco trazida por alguém que esteja fora deste circuito cada vez mais fechado. Esta derrota eleitoral deveria servir de tónico para o PSD dar esse passo. Tenho a certeza que se o desse, pelo menos neste ponto, já estaria em vantagem sobre o PS.

1 Comments:

Blogger XaRoPe said...

Caro Francisco,

É com enorme prazer que, pela primeira vez, concordo contigo numa análise política... 29% de votação para o PPD-PSD tem que fazer qualquer um pensar, seja militante do partido ou não.
De qualquer maneira, a culpa não é de quem lá anda... é do Presidente da República (esse traidor... muitos risos), das empresas de sondagens (esses socialistas porcos... mais risos) e da Comissão Eleitoral (esse lobby... risada final). Sobretudo não tem nada a ver com o Senhor que resolveu abandonar o cargo para que tinha sido eleito, por razões de interesse nacional (mais risada...), e do respectivo sucessor... que não é um homem comprovadamente incompetente... claro que não.

Muito me agrada a vossa iniciativa e sobretudo verificar que os autores deste blog se identificam com os mais variados espectros políticos (pelos menos os dois que conheço estão em campos diametralmente opostos)... a diversidade é sempre o "plus" de qualidade.

Muitos parabéns aos quatro.

Nuno Santos Ferreira aka XaRoPe

11:01 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home