quarta-feira, fevereiro 23, 2005

FSM e os libertadores

Ontem recebi este fantástico e-mail:

5 o. Fórum Social Mundial (FSM): "diversidade", "revolução intersticial" e sonho anárquico

* Uma radiografia atualizada do chamado "movimento de movimentos" alter-globalista, suas metas, sua função dinamizadora, suas discussões estratégicas e de bastidores, seu poder real e seus calcanhares de Aquiles
*Um informe exclusivo, com entrevistas a José Saramago, Frei Betto, Leonardo Boff, Ignacio Ramonet, presidente Chávez, Alina Guevara, John Holloway, Michael Hardt, Tariq Ali, Atilio Borón, João Pedro Stédile, Ricardo Alarcón e outros participantes do FSM
Introdução:
1. Frei Betto, Gramsci e Lenine: "pressão popular" para "conquistar" o poder
2. Transformar o mundo sem tomar o poder, ou tomar o poder para transformar o mundo?
3. Chávez: o"novo libertador", sucessor de Fidel Castro?
4. Foro de São Paulo, Cuba e Lula
5. "Teologia da libertação", indigenismo e "sociedade futura"
6. Desconstrução de teorias, utopias e teologias...* Utopistas versus anti-utopistas * Saramago: não-utopia * Ramonet: anti-utopia * Gadotti: "a época das certezas passou" * Siddhartha Shivamurthy * Teologia da libertação e desconstrução * Revolução sexual * D. Casaldáliga: "mudar a religião" * Pe. Barros: "Superar a convicção de que o cristianismo é a única religião verdadeira" * Inflexão no alter-mundialismo: rumo à anarquia política e religiosa? * O caminho rumo a um estado de coisas "tribal" * Estruturalismo e vida tribal
7. "Território Social Mundial" e Acampamento da Juventude, laboratórios de um "outro mundo" autogestionário e anárquico;
8. FSM, "matança dos inocentes" e "diversidade" intolerante"

Como sempre, não poderia faltar o nosso prémio Nobel...
Chavez o novo libertador? Sucessor de Fidel Castro? Ou seja, Fidel Castro foi um libertador? Bom, nesse caso, prefiro continuar preso.
Será que qualquer dia teremos um novo tema: Louçã o novo libertador?
Para as pessoas que defendem estas ... (nem sei como adjectivá-las), a minha solução é simples: cada vez que utilizarem a palavra "liberdade" em vão, têm direito a um estágio (remunerado nos termos locais) na Coreia do Norte ou em Cuba (não para a praia) para experimentarem viver sob a égide destes grandes "libertadores".