segunda-feira, fevereiro 21, 2005

Responsabilidade


Novo 1º Ministro de Portugal

Decorridos poucos anos após uma viragem à direita, Portugal voltou a virar à esquerda e, desta vez, absolutamente à esquerda. Alcançada a tão ambicionada maioria absoluta, o PS de Sócrates tem agora uma oportunidade ímpar na sua história de executar com estabilidade o seu programa de governo, sem necessitar de ceder a caprichos de um qualquer deputado ou ficar amarrado a outro partido.
Após vários anos de desnorte dos governos, quer do PS, quer do PSD, que contribuíram para que o Estado e os portugueses tivessem que enfrentar diversas crises (económica, de autoridade, de confiança nas instituições, de esperança num futuro melhor...), Portugal encontra-se agora num frágil equilíbrio: ou o novo governo é bem sucedido e poderemos voltar a acreditar no nosso país, ou, mais uma vez, falha, e será a ruptura “desta maneira de fazer política” e desta geração de políticos...Veremos para que lado penderá a balança!
Sócrates tem portanto uma grande responsabilidade! Neste momento, tem a base para implementar as grandes e verdadeiras reformas que o país há muito reclama: administração pública, justiça, saúde, educação, etc. (infelizmente, há muitos anos que ouvimos a mesma história), resta saber se terá talento e coragem. Desde logo, coragem para aproveitar as boas medidas tomadas pela maioria de direita, em vez, de como vem sendo habitual em Portugal, riscar totalmente e cegamente tudo o que foi feito pelo governo anterior; segundo, coragem para controlar os interesses existentes dentro do próprio PS, que estarão neste momento a esfregar as mãos por um tacho ou favor; depois, coragem para enfrentar os inúmeros interesses corporativos há muito enraizados nos diversos sectores da sociedade portuguesa (que, como se sabe, têm sido um permanente entrave à execução de reformas)...No fundo, Sócrates terá que ter um verdadeiro sentido de missão e de estado!
Mas, não é só o governo que terá de colocar Portugal no caminho certo, na verdade, somos todos nós! Temos que entender, de uma vez por todas, que grande parte do sucesso do nosso país, passa pelo nosso próprio sucesso: quantos mais portugueses forem bem sucedidos na vida, mais sucesso terá Portugal...Quanto mais sucesso tiverem as nossas empresas, mais sucesso terá Portugal...Mas, o sucesso não cai do céu, conquista-se! E, por vezes, para o conquistar, é necessário ultrapassar grandes obstáculos e suportar enormes sacrifícios...Temos que perder a tendência de esperar que seja uma entidade sobrenatural chamada Estado a nos dar trabalho, a nos pôr a comida na mesa, a educar os nossos filhos, a nos levar à felicidade!!! Está na altura dos portugueses assumirem também as suas responsabilidades na construção de um futuro melhor para Portugal...