terça-feira, fevereiro 22, 2005

Uma lição


Paulo Portas


Tal como muitas outras pessoas, apesar de lhe reconhecer inúmeras qualidades, sempre desconfiei de Paulo Portas enquanto político . O seu passado no “O Independente” não o tornava uma pessoa credível, o seu discurso parecia-me demagógico, a sua atitude revelava-se muito inconstante. No entanto, depois de 3 anos em que tive a oportunidade de ver Portas em acção, tenho que admitir que a minha opinião se alterou.
Paulo Portas foi reconhecidamente um bom ministro do governo cessante;
na sua actuação colocou o interesse de Portugal no lugar onde sempre deve estar, no topo;
demonstrou ser um homem com Sentido de Estado;
foi um parceiro de coligação leal e de confiança;
lutou sempre com dignidade pelos princípios que regem o seu partido;
foi o melhor nos debates em que participou;
por fim, foi, sem dúvida, o melhor no momento da derrota.
Todos pensavam que seria o CDS de Portas a fazer desabar a coligação de direita... Tal não aconteceu! Pelo contrário, foi Portas que foi arrastado pelo fracasso de um PSD totalmente descaracterizado. O CDS foi um dos derrotados, mas, com certeza, que não foi por culpa do seu líder.
Portas tem sido um resistente... Apesar de ter sofrido inúmeras tentativas de “assassinato político”, conseguiu resistir sempre! Penso que tomou a atitude correcta, no momento certo, da maneira certa . Isso abre-lhe boas perspectivas para o seu futuro político. É uma lição que outros deveriam aprender...A política não é uma profissão, é uma missão!