sexta-feira, dezembro 09, 2005

Parabéns Dr. Mário Soares!



O Dr. Mário Soares fez 81 anos. Portanto, primeiro que tudo, muitos parabéns!
Há um ano estava num jantar de homenagem, rodeado por umas centenas de ilustres convidados a comemorar as suas 80 primaveras e a anunciar uma retirada em glória da política. Aplaudido de pé, elogiado pela generalidade dos opinion makers, querido e respeitado pela grande maioria dos portugueses. Por incrível que pareça, hoje, passados apenas 365 dias, está pleno de energia em campanha pelo país, procurando chegar a um terceiro mandato presidencial. Tem aproximadamente 10% das intenções de voto dos portugueses, é criticado por uma grande parte da opinião esclarecida e, por vezes, infelizmente, até ridicularizado por muitos cidadãos. As voltas que a vida dá! De facto, a vida dá muitas voltas e eu entendo perfeitamente que, por alguma razão, o que somos hoje, poderemos não ser amanhã. Nada de mal nisso.
No entanto, será que a vida de Soares deu assim tantas voltas para justificar uma mudança tão radical na sua posição?
É o próprio a enumerar as suas razões: que se candidata perante a "mudança da realidade" e o "agravamento terrível" da situação do país.
Sinceramente, fiquei surpreendido (mais uma vez) com esta justificação de Mário Soares.
Se bem me lembro, há um ano, no “longínquo” tempo em que Soares anunciava oficialmente o seu abandono da política activa, o país tinha acabado de assistir à queda de um governo chefiado por Santana Lopes que durou, salvo erro, mais ou menos, quatro meses. Portanto, o país encontrava-se numa grave situação económica, sem governo, descrente, sem confiança e sem rumo. Neste cenário, Soares abandonava a política.
Hoje, o país tem uma situação política estável suportada por uma maioria absoluta do PS, tem um governo que, bem ou mal, parece ter uma estratégia definida, tem um 1.º Ministro corajoso e demonstrando determinação em fazer cumprir o seu programa. Ainda falta muito para vivermos tempos de prosperidade, mas penso que, ainda assim, podemos estar bastante mais descansados do que no ano passado.
Portanto, a não ser que Soares partilhe (que é o que parece) da mesma opinião de Santana Lopes (manifestada há umas semanas no Expresso) de que a situação do país está muito pior hoje do que no seu tempo, é no mínimo estranha a justificação que dá para a sua candidatura repentina.
Como se sentirão o PS e Sócrates quando o candidato presidencial em que têm empenhado os seus maiores esforços, considera que o país estava melhor sem governo, do que com o actual?
Dá que pensar...
O que vale é que temos todos memória curta. Ou, se calhar, nem todos!

2 Comments:

Blogger David Castaño said...

100% de acordo

3:39 da tarde  
Blogger Rosario Andrade said...

Saber sair quando se está na mó de cima é uma arte de difícil execução!...

Abracicos!

6:35 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home