sexta-feira, janeiro 13, 2006

O verdadeiro criminoso agradece

A banalização e o alarido em torno das escutas telefónicas tem pelo menos um efeito:
não haverá criminoso com um mínimo de inteligência que utilize o telefone para falar sobre os seus actos...

2 Comments:

Blogger Marco said...

Tudo por causa de filtros do Excel... Falta cultura tecnológica a esta malta da PT!

6:05 da tarde  
Anonymous Luisa said...

Mais histórias de plágios

Pronto. É sina assente: agora, tudo o que tenha a ver com o gamanço de escritos alheios tem de me vir parar ao desktop. Ainda acabo como metade da população portuguesa: processado pela Clara Pinto Correia, que gastou esta semana a justificar, no "24 Horas", os seus tormentos e a ameaçar este e aquele com ferozes litigações, pois "agora já não vai sair barato dizer mal de mim". Isto enquanto persiste na colocação de aspas a proteger a palavra "plágio", quando aplicada à sua pessoa, mas enfim. (Espero que ela não descubra que escrevi há um ano que "o Jorge Listopad e a Clara Pinto Correia deviam ser banidos para a Zona Fantasma"...)
É que nossa Margarida conseguiu por fim encontrar um texto assinado por Francisco Louçã em 2001 e outro de Michel Chossudovsky, alguns dias anterior. Podem ler ambos aqui. Até me dei, não fossem acusar-me de escasso empenho analítico, ao trabalho de assinalar a vermelho as passagens literalmente comuns aos dois artigos. Mas não era preciso; eles estão obviamente irmanados e expõem os mesmos factos, o mesmo raciocínio e a mesma conclusão.
Plágio? Para ter a certeza, precisaria de verificar alguns dados: datas, notas, o texto assinado por Louçã. Mas admito que parece bastante provável.
Sei que pode soar a coisa estranha, mas é verdade, Margarida: nem todos fechamos os olhos ao que parece ser a evidência só porque esta nos desagrada.
Postado por Luis às 06:26 PM | Permalink | Comentários (26) | TrackBacks (2)
(http://aspirinab.weblog.com.pt/)

3:24 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home