sexta-feira, janeiro 20, 2006

Pergunta do dia

O que preferem Soares e Sócrates, a vitória de Cavaco sem maioria absoluta com Alegre a passar à segunda volta ou a vitória de Cavaco na primeira volta?
Numa eventual segunda volta tudo pode acontecer, sendo bastante possível a vitória do candidato da esquerda. Anda tudo muito preocupado com as relações Sócrates/Cavaco mas muito mais preocupantes serão as relações Sócrates/Alegre.

1 Comments:

Anonymous Luisa said...

O monge copista
Francisco Trigo de Abreu, (in O Independente, 20 de Janeiro de 2005)


Francisco Louçã publicou um texto sobre o Iraque. Uma semana antes, um investigador canadiano escrevera um artigo quase igual. José Casanova, do PCP, fala de plágio.

Os factos remontam a 26 de Fevereiro de 2001. Francisco Louçã escreve no suplemento de Economia do “Público” um artigo intitulado “Bombas em Bagdad para salvar a Bolsa”. O texto, assinado pelo deputado do BE na coluna Bancada Económica, não tem nenhuma referência bibliográfica ou qualquer citação. No mês seguinte, José Casanova, dirigente do PCP, acusa-o indirectamente de ter plagiado o texto de um outro escrito de Michel Chossudovsky, um professor de Economia da Universidade de Otava. No artigo escrito no “Avante!”, José Casanova sublinha que o texto, que estabelece uma ligação entre os bombardeamentos no Iraque e as dinâmicas bolsistas de algumas empresas em Wall Street, começava exactamente da mesma maneira (“Na zexta-feira, dia 16 de Fevereiro”), “chegava às mesmíssimas conclusões, com a particularidade de repetir ‘ipsis verbis’ palavras, frases e parágrafos inteiros do texto do deputado do Bloco de Esquerda”. Tendo o artigo do investigador da Universidade de Otava sido escrito uma semana antes do artigo publicado por Francisco Louça, José Casanova colocava ironicamente a questão de “saber quem é o quê em matéria de plagiador e plagiado”. O dirigente comunista citava ainda outro autor, explicando que “o mundo recompensa com maior frequência as aparências do mérito do que o próprio mérito”.

O artigo de Louçã, que estava esquecido até começar a correr em vários blogues ao longo das últimas semanas, faz menção às perdas de cotação de várias empresas e as mais-valias que foram realizadas no mesmo dia, já depois de os EUA terem bombardeado o Iraque. As empresas são rigorosamente as mesmas nos dois artigos – Nortel, Dell Computers, Hewllet-Packard, Exxon, Chevron, Texaco, Boeing, General Dynamics, Lockheed Martin, Northrop Grumman e Rayethon.

Francisco Louçã e Chossudovsky também partilham um parágrafo dedicado à “Harken Energy Corporation, uma empresa-chave na exploração do petróleo colombiano e de que George Bush foi director executivo”. Também ambos explicam que “a Harken está directamente envolvida na operação Colômbia”. Francisco Louçã acrescentava que este era “um ambicioso plano de acção militar americana na zona amazónica”. Expressões como “diplomacia de mísseis” ou “mais dois dias e Bagdad era bombardeada” também são rigorosamente iguais. Assim como a transcrição de um parágrafo em que George Bush era citado: “Planeio romper com a ortodoxia do Pentágono e criar uma arquitectura para a defesa da América e dos nossos aliados, investindo em novas tecnologias e sistemas de armamento”. O político e o professor canadiano partilhavam ainda a mesma reflexão sobre o anúncio de Bush: confirmara-se entretanto “a encomenda do novo caça F-22 Raptor, que a Lockheed vai desenvolver, numa operação de cerca de 60 mil milhões de dólares”.

Finalmente, os dois colunistas partilhavam a informação de que “Bush ratificou um novo investimento imediato de 2,6 mil milhões de dólares para reforçar a investigação e desenvolvimento de novas armas”. Instado pelo Independente a pronunciar-se sobre as coincidências dos dois textos, Louçã recusou fazer qualquer comentário.

2:46 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home