sábado, fevereiro 18, 2006

Um mundo pluralista - 2


Devido à falta da qualidade de uma parte considerável da comunicação social, as pessoas tendem a esquecer o papel decisivo que os actuais media desempenham em moldar o pensamento contemporâneo. A frase “com grande poder vem a grande responsabilidade” tem muita razão de ser. Um bom exemplo do que acabei de referir reside na posição adoptada pela Associação de Jornalistas da Alemanha (DJV), que criticou a reprodução das ilustrações pelos meios de comunicação que se solidarizaram com o jornal Jyllands-Posten, através das seguintes declarações: “As publicações, sejam em texto ou imagem, que insultam as convicções religiosas de uma comunidade são incompatíveis com a responsabilidade da imprensa.”
Ao que parece, em Itália, o ministro das Reformas do Governo Italiano, Roberto Calderoli, mandou confeccionar t-shirts com as caricaturas contestadas pelo Islão no sentido de, segundo ele, “terminar com este tabu.” De referir que este governo é presidido por Silvio Berlusconi, conhecido pelas suas tomadas de posição xenófobas.
Sátira? Discutir sentido de humor é sempre muito subjectivo, mas de facto não consigo entender que tipo de sentido de humor permite interpretar as caricaturas que deram origem a toda esta situação. São desenhos inegavelmente ofensivos.
Ver as coisas numa questão de perspectiva é sempre útil. Qual seria a situação diametralmente oposta? Imagino qualquer coisa como um jornal saudita publicar uma caricatura de Jesús Cristo a pegar numa espada e a incitar a umas novas cruzadas, durante as quais se fizeram barbaridades em nome da fé, e a dizer: “vamos chacinar uns infiéis.” Eu sentir-me-ia profundamente ofendido e um pedido de desculpas seria muito bem vindo. Não queimaria uma embaixada ou uma bandeira por causa disso, mas também 95 por cento dos Muçulmanos não fizeram ou fariam tal coisa.Penso que uma desculpa é devida à maioria, ou seja, aqueles que não reagiram violentamente mas que foram profundamente atingidos nas suas convicções.
Pluralismo é um factor e um valor fundamental. Se não houver respeito por diferentes formas de estar e de pensar a democracia liberal como sistema de organização política torna-se uma contradição.
Embora entenda a dificuldade de traçar as linhas do que é ou não ofensivo, a ideia de viver numa sociedade onde nada é respeitado a não ser a liberdade causa-me arrepios!

8 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Tres comentarios:

1. Berlusconi pode ser muitas coisas ... mas xenofobo? Apresente exemplos se faz favor da "xenofobia" de Berlusconi.

2. Nao sei se sabe mas nos ultimos anos houve exposicoes "artisticas" onde Jesus foi representado com estrume, urina etc. Houve pecas teatrais em que Jesus foi apresentado como gay. Houve indignacao. Mas nao morreu ninguem.

3. Chama-se a isso "sociedade civil," onde as pessoas podem criticar, ridicularizar ou mesmo ofender sem correrem o risco de serem penduradas num candeeiro no meio da rua.

4. Ainda bem que vivo numa sociedade onde as pessoas podem recorrer a satira sem serem silenciadas. Eu penso que chegou a hora de exigir um pouco de auto-critica por parte do mundo muculmano e ter um bocadinho mais de orgulho na nossa sociedade. Nao acha?

5. Ja agora: Maome com uma bomba na cabeca. Ou Jesus com uma bomba na cabeca. Qual destas imagens, em 2006, esta mais proxima da realidade. Cuidado com a resposta ... nao va ofender ninguem.

11:15 da tarde  
Blogger Manuel Castro e Almeida said...

Caro Anónimo

1 - A frente formada por Berlusconi inclui a Liga do Norte, partido claramente xenófobo, e a Aliança Nacional, um grupo político de inspiração fascista. Dê uma vista de olhos na política do Governo de Berlusconi em relação aos imigrantes. Não sei se se lembra mas, por ocasião da vitória de Berlusconi, Jörg Haider promoveu uma conferência de imprensa para afirmar o quão bom foi para a Europa tal desfecho.

2 - Essas tais exposições de que fala decorreram onde? No Ocidente ou em países Muçulmanos? Pluralismo significa respeitar a diversidade. Uma coisa é sátira para consumo interno, outra coisa é atacar intencionalmente crenças diferentes, como foi o caso do editor do jornal dinamarquês.

3 - O que eu pretendia demonstrar é que tambem na nossa sociedade civil ainda existem ideias radicais.

4 - Mundo Muçulmano? Parece confortável enfiar tudo no mesmo saco: Curdos, Sunitas e Xiitas, de Marrocos a Indonésia, de terroristas a pessoas de bem.
Eu tenho muito orgulho na nossa sociedade, principalmente enquanto fugir aos perigos do monismo.

5 - Nenhuma delas está mais próxima da realidade, como nunca esteve.

5:24 da tarde  
Anonymous guerrilla radio said...

Desculpas de Italy. Calderoli é um parvo. Os povos italianos são amigos para o islam.
Vik blogger from Milan.

imbecilli le provocazioni di Calderoli.

Chi fomenta l'odio religioso in una società che si definisce civile
viene messo in disparte, emarginato.

Noi invece li facciamo ministri.


E ora ne paghiamo le conseguenze,
perchè temo che gli episodi di ieri siano solo l'inizio,
l'immagine dell'Italia già duramente provata
dalla nostra sudditanza e criminale complicità
agli Stati Uniti,
in quelle guerre tramite cui pretendiamo di esportare
i nostri sublimi valori democratici,
(gli stessi da cui che poi partoriscono
illuminate menti come quella del ministro della lega)
sarà ulteriormente danneggiata da questa inopinata iniezione di intolleranza.

Non voglio pensare di trovarmi dinnanzi
durante i mie viaggi
qualche folle estremista religioso che mi sventaglia un coltello dinnanzi
domandandomi se la penso come il Calderoli...

Propongo di esportare Lui al posto della nostra democrazia,
potremmo spedirlo in Pakistan,
già li vedo,
lui e Bin Laden che si alternano sul cucuzzolo della montagna
a salmodiare odio razziale e religioso.

Spediamocelo presto,
senza timore che se lo mangino vivo,
si sa,
da quella parti la carne di maiale
non si sfiora neanche con un dito.


ps.
Via a calci nel sedere anche
Clemente Mimun,
questo ebreo di destra,
pardon
estrema destra filosionista,
vada a condurre nei salotti di casa sua
queste messe in scena di una violenza verbale e intolleranza inaudite.
Non in mondovisione nella nostra rete statale,
lui è responsabile quanto Calderoli.

9:41 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Obrigada, Manuel Castro e Almeida. Finalmente, parece-me que alguém entendeu o que estava em causa, e soube compreender a indignação que também eu senti.

9:51 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

1. Continua sem dar exemplos da "xenofobia" de Berlusconi ou da Forza Italia. Fala da Liga do Norte, da Alianca Nacional (ja agora, devia saber que a Alianca Nacional mudou muito nos ultimos anos) ... entao e o Berlusconi?

2. Sera que o senhor tem conhecimento da producao continua de caricaturas de Cristaos e Judeus no mundo Muculmano? Ja viu algumas? Olhe va ao site da Memri, por exemplo. Houve protestos/riots/mortes/ataques a muculmanos por causa dessas caricaturas? Nao.
E porque?

3. O pluralismo e muito bonito mas quando temos pela frente uma ideologia totalitaria ... olhe, compre um livro sobre o Nazismo.
Talvez entao compreenda o que lhe digo.

4. O senhor erradamente escreveu que o Daniel Pipes era amigo/compadre/socio do editor Dinamarques. Nao e, nem nunca foi. Por favor, um homem tao "pluralista" como o senhor devia evitar as "teorias da conspiracao." (que de pluralistas tem muito pouco)

7:11 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

1. Continua sem dar exemplos da "xenofobia" de Berlusconi ou da Forza Italia. Fala da Liga do Norte, da Alianca Nacional (ja agora, devia saber que a Alianca Nacional mudou muito nos ultimos anos) ... entao e o Berlusconi?

2. Sera que o senhor tem conhecimento da producao continua de caricaturas de Cristaos e Judeus no mundo Muculmano? Ja viu algumas? Olhe va ao site da Memri, por exemplo. Houve protestos/riots/mortes/ataques a muculmanos por causa dessas caricaturas? Nao.
E porque?

3. O pluralismo e muito bonito mas quando temos pela frente uma ideologia totalitaria ... olhe, compre um livro sobre o Nazismo.
Talvez entao compreenda o que lhe digo.

4. O senhor erradamente escreveu que o Daniel Pipes era amigo/compadre/socio do editor Dinamarques. Nao e, nem nunca foi. Por favor, um homem tao "pluralista" como o senhor devia evitar as "teorias da conspiracao." (que de pluralistas tem muito pouco)

7:24 da tarde  
Blogger Manuel Castro e Almeida said...

Caro Anonimo:

1 - As declaracoes (totalmente irresponsaveis) de Berlusconi logo apos o 11 de Setembro sao, na minha opiniao, um bom exemplo. Ao afirmar que a civilizacao ocidental é superior a cultura muculmana, associou todos os muculmanos ao ataque terrorista.
Volto a repetir, de uma vista de olhos nas propostas para a politica de imigracao (e a origem dessas propostas) que provocaram protestos a nivel mundial: impressoes digitais so para estrangeiros, os Centri di Permanenza Temporanea, contratos de trabalho antes de entrar no pais - o que é quase impossivel, etc...tudo constituindo violacoes de direitos fundamentais.

2 - Continua a por tudo no mesmo saco. Mundo Muculmano. É o desconhecimento geral do que é de facto o "Mundo Muculmano" que agrava uma situacao que a partida poderia ser enfrentada de outra forma se se demonstrasse mais sensibilidade para com o assunto.

3 - Continua a por tudo no mesmo saco. A ideologia totalitaria é sustentada por uma minoria, alem ameacar igualmente paises Arabes.
Estou a par do que foi o Nazismo, inclusivamente ja visitei um campo de concentracao na Alemanha.
A proposito, o corrente governo dinamarques tem bastante de populista e xenófobo.

4 - Deve ser uma pessoa muito bem informada para poder contradizer conceituados jornais norte-americanos que provam os encontros entre Daniel Pipes e Flemming Rose nos EUA nos ultimos anos.
Acredita no que quer acreditar. Nao é teoria da conspiracao, é um facto!

12:12 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

1. Contra a "conspiracao" ... os factos.
Consulte este artigo:
http://www.danielpipes.org/article/3405

(Ps. Por acaso conheco o Daniel Pipes. Tambem faco parte da conspiracao? E como ainda por cima sou anonimo ...)

2. Quanto ao Berlusconi ... que horror, atreveu-se a falar da "superioridade" Ocidental. A comecar pelo lugar dado as mulheres no Ocidente. Ou aos gays. Ou a todas as proteccoes (vou usar uma das suas palavras favoritas) ao pluralismo.

Que horror. A xenofobia arrepia-me.

5:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home