terça-feira, março 07, 2006

A Esquerda e a Direita morreram! Estamos na Era do Pragmatismo!

Para os puristas, politólogos, historiadores, um título destes é um atentado ao pensamento, um autêntico crime! Peço desculpa! Permitam-me tamanho atrevimento, mas não ambiciono ser mais do que um activista do senso comum...
Afinal, o que é que andamos todos aqui a discutir? O que é que move blogs da denominada direita ou de uma tal de esquerda? Para que serviram então as fervorosas polémicas entre Acidentais e Barnabés que nos divertiram no passado? Para que servem páginas e páginas de palavras apregoando a derrota da esquerda moderna? Para que servem discursos inflamados apelando ao fim das perigosas políticas de direita? Eu próprio me questiono: “então não foste sempre um indivíduo de direita?”
Há muito que as cartas estão na mesa: As doutrinas políticas de ambos os lados foram elaboradas e colocadas em prática. Nenhuma se revelou perfeita. Aliás, as tentativas de concretização à letra (ou quase) das ideologias de direita/esquerda, deixaram (e ainda deixam) uma marca de injustiças e abusos que mancham o percurso histórico da humanidade. Mas, nos países desenvolvidos ou com ambições de desenvolvimento, tudo isso é história. Onde é que está a esquerda/direita na Inglaterra de Blair? Foi Aznar um líder marcadamente de direita? Lula da Silva aplica as políticas que defendia nos tempos de sindicalista? O espírito de Mao Tse-tung ainda domina a China?
Na verdade, nestes casos de sucesso ou bem encaminhados, a dicotomia que alimenta muitas das nossas discussões, deixou de existir. Seguem-se políticas pragmáticas, ou seja, tendo em vista o progresso e o bem-estar, aplicam-se as soluções que se revelem mais adequadas, deixando para trás todos os complexos de esquerda/direita. É este o caminho do futuro, são os pragmáticos que decidirão eleições, são os líderes conscientes desta realidade que ficarão na história por boas razões.
Penso que o Pragmatismo já começa a entrar em Portugal: É José Sócrates um 1.º Ministro socialista? Será Cavaco Silva um Presidente de direita? Aliás, diga-se, os eleitores que elegeram José Sócrates foram precisamente os mesmos que votaram em Cavaco. São estes eleitores que decidem e que decidirão cada vez mais eleições no futuro – os pragmáticos! Não auguro grande futuro para os partidos que insistem repetidamente na demonização da esquerda ou da direita. No momento de votar, os eleitores que decidem, estão-se (e bem) absolutamente nas tintas para isso.
Assim, aproveito para deixar, humildemente, um conselho aos liberais: se querem ser bem sucedidos, devem deixar para trás a conversa da treta – “ a direita isto, a esquerda aquilo”; devem dar um novo nome às interessantes “Noites à Direita” (proponho Noites Liberais); devem deixar de teorizar sobre a perfeição da direita e a imperfeição da esquerda. A meu ver, só assim poderemos ambicionar deixar de ser “marginais” e chegar ao poder.
O passado foi dos de esquerda e dos de direita, o futuro é, claramente, dos pragmáticos.

5 Comments:

Blogger eumesmo said...

Esquerda? Que esquerda?
Sempre me causou algum espanto a pretensa superioridade moral da esquerda,
supostamente assente na espontânea e generosa ideia da igualdade tout court.
Pergunto modestamente: quem mais contribui para acabar com as desigualdades?
Um igualitarismo imposto pelo Estado ou uma igualdade de oportunidades baseada numa classe empresarial forte, dinâmica e capitalista?
Um Estado que apenas regula e limita abusos ou o que impõe e intervém fortemente na economia?
Quem redistribui ou quem joga e limita?
Quem arbitra de acordo com as regras ou quem mexe no jogo?
Uma sociedade de beneficiários ou de criadores de riqueza?
Meritocracia ou subsídio?
Funções sociais do Estado limitadas a quem realmente precisa ou Estado-Providência indiscriminado?
Saúde, Educação e Justiça de borla para todos ou realmente gratuito para quem necessita?

Marxismo, trotskismo, maoismo, marxismo-leninismo, socialismo democrático...? Que esquerda?
Sublinhe-se que estas teorias definharam e foram forçadas a submeter-se às regras dos Estados liberais que alicerçam as sociedades ocidentais modernas.
Já ninguém, em seu perfeito juízo, defende hoje no mundo civilizado o retorno ao marxismo-leninismo ou, por exemplo, ao maoismo, a não ser algumas alminhas escondidas em partidos anacrónicos e sem expressão eleitoral. Ainda acontece em Portugal. Mas enfim, é apenas um caso de curiosidade antropológica. Nada mais.

Para quem diz que o debate esquerda/direita morreu, estes são alguns temas que ainda se devem debater... acho eu.

2:46 da tarde  
Anonymous Bruno said...

Eu mesmo,
O egocentrismo é uma obsessão que faz da ideologia um território com bandeira e fronteiras intransponíveis. Combater moinhos de vento é coisa de romance oitocentista. E, tal como assinar comentários em redundância, para além de pouco pragmático, é inútil.

Francisco, parabéns pelo post.

2:38 da tarde  
Blogger Vitório Rosário Cardoso said...

Como jovem leigo na matéria, a questão da esquerda e da direita, não terá no seu fundamento, o modo de visão sobre a vida, sua análise e gestão.
Como jovem que tem orgulho nas suas raízes, culturas, crenças e tradições (essenciais à comunidade que forma a Pólis, que vai dar origem à civilização), haverá diferenças entre esquerda e direita da maneira como se vê a nossa história nacional? Acho que sim. Uns renegam-na e os outros, tomam-na em atenção para projectá-la melhor no presente, tendo em vista um futuro melhor. Uns discriminam a diversidade na unidade, apelando ao igualitarismo cinzento. Creio que o ser humano, é um ser racional e por isso mesmo é que também é empírico.
Hoje, mais do que nunca, numa era globalizante, é imprescindível que tenhamos uma visão correcta do mundo, das relações inter-humanas, em vez de internacionalista, universalista.
É enfim, esta a cultura que leva também ao sucesso económico, vejam-se as manchetes da visita do Chefe de Estado à Índia.
Como jovem português, entristece-me ver que o actual regime esteja imerso em situacionistas ou vulgarmente dizendo, oportunistas, em todos os quadrantes políticos.
Segundo o que depreendi de Aristóteles, qualquer semelhança com actualidade poderão ser puras ficções demagógica ou oligárquica?

Saudações,
www.passaleao.blogspot.com

P.S.- A retórica de que não há nem esquerda nem direita, recorda-me um dos processos que favorecem o pensamento de António Gramsci. Ao entorpecer a oposição de Direita, a Esquerda (sempre pronta e organizaada) ganha espaço para tomar a superestrutura. Muito cuidado...

11:21 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Francisco, ler o teu texto ao som de Paulo de Carvalho transmite uma vontade de abrir a janela e gritar bem alto: "Soltem os Prisioneiros!", bem ao estilo do nosso querido Miguel Ângelo! (Deus o tenha...) Gosto da arte da escrita, das ideias transmitidas e do pragmatismo da mensagem! Deixem-se vocês de tretas e continuem lá com este blog... Só agora o conheci mas fiquei curiosa de ver mais... Sim, FPC? Nem que seja um a solo... :) - Ass: Anónima (da parte da mãe)

3:17 da tarde  
Blogger vitório rosário cardoso said...

Caros ilustres

Quem quer comprar carne de 1ª qualidade é favor de me contactar...vendemos carne fresca do sudoeste asiático.Carne tenra e fresca ( ainda menores)de primeira mão, sem doenças contaminadas, algumas ainda usa fraldas....vitório é prova de qualidade. também tenho bom vinho, da terra do meu avô, loucor beirão acompanhado com o chouriço português do meu avô...ainda tenho pra vender os meus tomates, ainda virgens e frescas...acompanha de suco bem doce...pois confeço que tenho diabetes, ainda vendo em saldos bananão bem grande de de marca tiu monte, acreditam que nunca virão banana tão grande e rígida, também acompanhada de suco que é especialidade da casa...não esqueçam que também tenho chourição (dos grandes)à venda e tão boa qualidade que até se vibram...fazemos entregas ao domicílio...para terminar apresento-vos o meu chouricao de burro, directamente do meu quintal sempre de melhor qualidade, e garanto-vos quevao ficar mais espertos depois de comer chouricao de burro

saudações

2:47 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home