terça-feira, agosto 30, 2005

Haass: Índia. Kristol: clichés em redor de Hobbes

Grande Bernà,

Tanta pressão!! Estás a jogar com uma pressão demasiado alta. Em losango ou não?

Vamos lá aos livros, camarada liberal:

1. Acabei o Opportunity”, Richard Haass.
Tirando algumas ingenuidades em relação à China e Rússia (no sentido de Pequim e Moscovo fazerem o jogo pretendido pelas democracias), fica aqui espelhada aquela que será a grande estratégia americana do XXI: um multilateralismo liberal, à escola inglesa, à realismo liberal. Não o multilateralismo da “jurisdição mundial” da ONU, mas o multilateralismo que nasce da aliança entre potências demo-liberais. Existe a óbvia intenção de criar uma rede de grandes potências democráticas. Para quê? Em nossa opinião (a nossa Diana é o motor deste tema), os americanos querem fazer duas coisas: (1) dar sustentabilidade político-estratégica à globalização; finalmente perceberam que não há “fim de história”. (2) Preparar a Ásia para a “recepção” da China. Daí a nova prioridade: a Índia. Aliás, a aliança Washington-Nova Deli é revolucionária em termos do sistema internacional. Mais: é um passo notável – ao qual não se deu cavaco aqui na Europa – para a construção da “sociedade internacional”, ou melhor, para a aprofundamento da “sociedade internacional”. É que a utopia de Kant já existe em alguns sítios.

2. Estou a reler o “Neoconservatism, an autobiography of na idea”, do Irving Kristol, a bíblia do neoconservadorismo.
Os neoconservadores, em definitivo, não têm qualquer semelhança com qualquer escola de “direita”, “conservadora”, “liberal clássica” conhecida. Por que razão isto é assim? Porque têm uma visão completamente religiosa e/ou esquerdista (tendo a escolher a solução “e”. É que na América, o progressismo começou por ser um património da religião, dos movimentos evangélicos) de Maquiavel e Hobbes. E isto é muito grave quando se tem como meta a expansão da democracia liberal.

Maquiavel é despachado com esta expressão: “political pornographer”. Hobbes é despachado com o cliché do costume: é aquele que considera o Homem como besta-quadrada. Com tudo isto, não percebem que os regimes demo-liberais – sobretudo… os Estados Unidos da América – assentam em bases constitucionais que são completamente hobbesianas. Consequência no exterior: não sabem encarar um processo de democratização, de nation-building. Os nossos estados demo-liberais são hobbesianos. Vivemos em cima de Hobbes. Literalmente. Sobretudo os americanos, regidos que são pela constituição de 1787.

É que Hobbes não criou o poder absoluto mas o poder soberano. Qual é a diferença? O Absoluto não precisa de consentimento. É de cima para baixo. É uma imposição. O Soberano, ao invés, nasce de um pacto consciente e voluntário dos membros da sociedade. Vai de baixo para cima. No estado natural, naturalmente caótico, os homens têm liberdade para fazerem uma associação que coloque ponto final na desordem. Não só porque o “homem pode ser o lobo do homem” mas também porque há diversas concepções de Bem concorrências. Por isto, é preciso uma unidade - Leviathan - que coloque ordem (a montante) nesta conflituosidade, transformado o conflito em pluralismo. Sem Hobbes, não haveria o nosso pluralismo. Vou mais longe, seguindo Isaiah Berlin: sem Maquiavel, não haveria o nosso pluralismo. Maquiavel, quando destruiu a Cristandade, abriu o espaço – involuntariamente, é certo – para o Ocidente pluralista.

Mais: Como dizem, e muito bem, Tunhas e Gil, Kant é mais a continuação do que a negação de Hobbes. Habermas, Kagan e Kristol estão completamente enganados em relação a Hobbes. Kristol deveria conhecer melhor a sua própria constituição, criada por dois maquiavélicos, por dois hobbesianos, por dois humeanos: Madison e Hamilton. Sem a constituição de 1787, ou seja, sem o legado de Hobbes, não haveria EUA. Poderia haver uma certa América, mas estes EUA não existiriam.

Na Europa, os grandes génios políticos escreveram livros. Na América, os grandes génios políticos fizeram o maior país dos últimos dois séculos.

1 Comments:

Blogger Rane Morais said...

Será que realmente existe um estado natural? Não sei se é um pensamento muito maluco, mas quando comparo essas idéias de Hobbes com a modernidade vejo que a ordem pouco inibe a instalação do caos! Será que a natureza do homem é mesmo auto-destrutiva? Os outros animais vivem o estado natural e não se aniquilam. Será que sob esse aspecto nossa racionalidade é uma desvantagem?

6:15 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home