quinta-feira, maio 12, 2005

Realismo vs Idealismo ou Realismo + Idealismo?


Caro Ma Tin Long

Desde já, muitos parabéns pelo Sínico, que foi directamente para os meus “favoritos”. Devo dizer que não encaro as várias teorias das Relações Internacionais como blocos sólidos não dialogantes, detentores de respostas absolutas. Daí que tenha que enquadrar Waltz e a sua análise sociológica do comportamento do Estado no sistema internacional, como uma base demasiado abstracta e generalista, absorta de considerações morais ou programáticas.
Em Man, The State and War e em Theory of International Politics, Waltz tentou a simples identificação do agente regulador das relações internacionais, mas procurou-o erroneamente no estruralismo clássico da sua “systems theory” e na aclamação da bipolaridade sua contemporânea e da auto-suficiência nacional, que considera matrizes de um equilíbrio não beligerante.
Esta era a era MAD de cortinas e blocos ideológicos dicotómicos e Waltz nunca poderia antever a natureza híbrida da União Europeia ou antecipar a implosão soviética, daí que o seu argumento constitua ainda hoje a base teórica do realismo clássico. Em Waltz, tal como em Morgenthau ou Mearsheimer (The Tragedy of Great Power Politics), impera o cepticismo realista face à natureza humana e seu carácter benigno. Mas a pedra basilar do realismo clássico reside na interpretação do Estado-Nação como único protagonista internacional autorizado, o que minou a sua capacidade de resposta às ameaças transnacionais e tentaculares do pós- 11 de Setembro.
Ainda que Brent Scowcroft e vários nomes ligados à Coalition for a Realistic Foreign Policy tenham tentado inspirar a veia realista na Administração Bush, foi a ala liberal que cedo ganhou algum terreno. O Millenium Challenge, a National Security Strategy de 2002, o State of the Union Address de 2005 e iniciativas como o National Endowment for Democracy (ainda que este remonte a 1983), comprovam que um liberalismo parcial conquistou espaço, ainda que sem o papel central que originalmente atribuía a organizações internacionais. Não será tanto um regresso da interdependência da vulnerabilidade e da sensibilidade de Keohane e Nye, mas à crença liberal no valor do Estado de Direito democrático como actor no sistema internacional.
Enquanto isso, numa Europa integrada assistimos à reemergência idealista ou “construtivista” que enfatiza linhas diplomáticas e culturais de persuasão e legitima a Política Internacional pela moralidade e legalidade estrita da acção. Aqui, o “interesse nacional” é preterido em função de valores vinculados a redes de acção não-governamentais e globais, enquanto o “diálogo crítico” abstrai-se de soluções de força. Ao contrário de Waltz, e tal como em Power and Interdependence, para o idealista construtivista, o equilíbrio do sistema internacional reside no multilateralismo transnacional, onde o Estado perde o seu tradicional primado.
Pessoalmente, dificilmente me revejo estritamente em qualquer uma destas hipóteses. Acredito que o realismo clássico ou Kissingeriano perdeu a sua actualidade logo na unipolaridade original do pós-Guerra Fria, e o liberalismo clássico de Ikenberry surge demasiado desprovido de garantias de segurança e de força. Parece-me (e Kissinger concorda), que a teorização futura sobre as relações internacionais passará por soluções mitigadas e conciliatórias. Tanto o realismo democrático de Krauthammer como a proposta de Kristol e Kagan tendem a deixar a periferia e a enquadrarem-se como a essência do actual debate académico. Quando Condoleezza Rice apelidou a política externa da presente administração como uma união pragmática entre realismo e liberalismo wilsoniano, comprovava uma tendência que procura integrar o pragmatismo realista com o idealismo democrático liberal. Embora na Europa impere, ainda, um idealismo com resquícios liberais julgo que cedo será evidente a lacuna coerciva deste modelo. A persuasão é um ponto essencial na política internacional, mas nunca poderá ser apenas substanciada e suportada por moralidade e ideais. O seu sucesso depende também da presença de um recurso coercivo e aí reside a chave para o futuro da Europa no sistema internacional. No sticks, no deal...

Cumprimentos

4 Comments:

Blogger Ma Tin Long said...

Acerca do papel da perspectiva realista (neste caso neorealista) no Pós Guerra Fria, Kenneth Waltz escreveu um artigo interessante na "International Security"(http://mitpress.mit.edu/journals/pdf/isec_25_01_5_0.pdf) em que refuta o ataque cerrado de que o realismo estruturalismo foi alvo desde o fim do bloco soviético, além de procurar desmontar a perspectiva da "Paz Democrática" de Michael Doyle, Francis Fukuyama entre outros.
Pessoalmente, concordo que "s várias teorias das Relações Internacionais como blocos sólidos não dialogantes, detentores de respostas absolutas".São instrumentos de análise, são modos de explicar a complexidade das relações internacionais e muitas vezes não se excluem. Além das teorias "mainstream", julgo que é importante ter em atenção outras tendências que apesar de não terem uma agenda de investigação apurada, oferecem pontos de vista que, em determinados casos, podem ajudar a perceber certos fenómenos. Exemplo disto é o cosntrutivismo social que considera que o estado de anarquia nas relações internacionais não é imutável; é antes uma construção. Há que não esquecer igualmente as perspectivas da escola crítica ou a análise Gramsciana do bloco hegemónico(embora acredite que estas últimas perspectivas não sejam simpáticas para a linha ideológica do Sinédrio). Bom, posto isto, queria lançar mais um tema para debate. A questão da polaridade no sistema internacional. Por outras palavras, em que situaçao de distribuição das capacidades é mais provável o conflito e a guerra? Unipolarismo, bipolarismo, tripolarismo, multipolarismo?
P.S. Apesar de todos os defeitos e de levar a alguma simplificação errónea, o realismo continua a ser um instrumento útil de análise, mesmo depois do fim da guerra fria, até porque ainda não está comprovado, em meu entender, que estamos de facto num mundo já pós-westefaliano (embora admita que há sinais disso).

1:02 da tarde  
Blogger Ma Tin Long said...

Já agora, Gonçalo,
Grande Post e obrigado pelos links. São muito úteis.
Acerca da importância da importância da persuasão - não apenas ao níevl do hard power, mas também do soft power - um dia destes escreverei no "Sínico" sobre a falta de "poder normativo" da China nas relações internacionais, a propósito de um texto muito interessante de Samuel S. Kim.

1:15 da tarde  
Blogger 網路校園美女寫真 said...

正妹性愛片外洩
歐博百家
淘金娛樂城
泰式按摩
油壓舒壓按摩
油壓按摩舒壓泰式SPA
空姐淪為機長洩慾工具
約砲成人交友網站
美容spa

5:14 da tarde  
Blogger 成人文學 said...

無碼女優
h漫卡通
a漫卡通成人動畫
情人視訊交友網
a漫卡通成人動畫
a漫卡通成人動畫
性愛派對自拍影片
免費a片卡通漫畫
無碼影片a片

4:13 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home