sexta-feira, setembro 30, 2005

Em Portugal, todos andam de pantufas

Continuando…

Num país não-porreiro:
Cada dia tem um sabor mental. Este sabor fica encrostado na cabeça o dia todo. Como aquelas lapas. Viver um dado dia sem este sabor é uma impossibilidade mental (é por isso que os feriados são tão destabilizadores). A Segunda sabe a dever. A Terça sabe a embalar. Quarta… não sabe a nada (é uma trincheira de tédio). A Quinta é antecipação. Antecipação do quê? De recomeço. Sexta é recomeço. Sexta é liberdade. Sexta é o retomar do privado depois de uma semana pública. Sexta-feira é o retomar do nosso espaço privado depois do trabalho público. Sexta é colo. Sexta é pantufas.

No país do porreirismo (vulgo: Portugal):
Aqui, Sexta é todos os dias. Somos um país de seres privados. Os portugueses trabalham de pantufas. Os portugueses não conseguem enfrentar o trabalho enquanto seres públicos. Sapatos é coisa que não têm. Só pantufas. Pior: trabalham como "porreiros" e depois exigem direitos de "pulhas".

Caros políticos,
Tenham a coragem de dizer que os portugueses têm de deixar as pantufas em casa.

[encomenda de Luísa Cabral Menezes]

1 Comments:

Blogger Roberto Iza Valdes said...

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

1:13 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home